Escoliose em adolescentes é um problema muito mais frequente do que as pessoas imaginam. Estima-se que entre 5 e 10% dos adolescentes no Brasil tenham algum grau de escoliose, ou seja, em uma sala de aula de 20 alunos 1 ou 2 têm esse problema. Isso significa que grande parte das salas de aula no Brasil tem alguém com esse problema!

O que é Escoliose

A coluna vista de frente é reta. Se essa coluna apresentar alguma tortuosidade ou para direita ou para esquerda ela tem Escoliose. Em alguns casos, essa curvatura faz com que a coluna passe a rodar no seu próprio eixo e por essa razão passe a se curvar também para frente ou para trás.

Quando a curvatura é pequena, menor que 10 graus, não é considerado Escoliose, mas acima disso sim. Um ponto importante é que mesmo nos casos de curvatura mais acentuada nem sempre é fácil identificar esse problema, porque na grande maioria das vezes a pessoa não sente nada, ou seja, é assintomático.

 

Existem seis sinais mais importantes para que se suspeite de escoliose:

  • Um ombro mais alto que o outro, com diferença na altura dos ossos da escápula;
  • Uma perna que parece ser mais comprida ou curta que a outra;
  • Cintura torta, como se as alturas dos quadris fossem diferentes;
  • Um desequilíbrio do tronco que o faz parecer desviado para um dos lados em relação aos quadris e pernas;
  • No caso das meninas podem notar uma assimetria dos seios, estando um mais alto do que o outro;
  • Uma elevação (ou seja, uma corcunda) em um lado das costas deixando algumas costelas mais evidentes de um lado do que do outro.

Esses sinais não ocorrem apenas na Escoliose, eles podem estar presentes em outras doenças, mas é importante destacar que na presença desses sinais a possibilidade de escoliose deve ser avaliada.

Causas e Tratamentos

Em crianças e adolescentes, normalmente a causa é desconhecida, ou seja, ainda não se sabe ao certo porque alguns apresentam essa curvatura anormal e outros não, mas os estudos sugerem que existe uma relação genética com o problema. Essa forma mais frequente é a chamada Escoliose Idiopática.

Já em idosos o problema está habitualmente associado ao processo degenerativo da coluna, em que uma vertebra escorrega sobre a outra.

Além dessas, existem muitas outras causas de escoliose, como por mal formação congênita das vértebras, doença neuromuscular, fraturas ou infecção, cirurgias na coluna, dentre outras.

Para a maioria dos casos em adolescentes cabem dois esclarecimentos importantes para a grande parte dos pais:

  • A escoliose do adolescente não tem relação com vícios posturais dessa fase da vida, principalmente a má postura relacionada ao uso de celular, computadores e videogames. Também não está comprovada qualquer relação com posição de dormir, como se senta no sofá ou o fato de carregar mochilas pesadas; ou seja, não é isso que vai causar Escoliose. Isso não significa que não se deva corrigir a postura dos filhos. Esses vícios de postura podem sim causar problemas posturais e dor nas costas.
  • Apesar de não estar bem estabelecida a causa para a maior parte dos adolescentes com Escoliose, sabe-se quem tem maior risco de ter e que por isso merecem atenção redobrada. São os grupos de risco:
  • Meninas: As meninas têm 3 vezes mais chance de ter escoliose que os meninos, principalmente na fase da puberdade;
  • Pessoas com história familiar de escoliose: Isso significa que se uma pessoa tem alguém na família com esse problema seu risco é muito maior;

Doenças neuromusculares, como a paralisia cerebral, e outras doenças que afetam a coluna. Dentre as possibilidades de tratamento existem a observação nos casos mais leves, exercícios específicos, coletes e até cirurgia nos casos mais graves.

Isso deve ser avaliado caso a caso, mas de uma maneira geral Escolioses de baixo a moderado grau na criança ou adolescente, ou seja, as que não tem indicação cirúrgica, não costumam gerar problemas funcionais. Levam a alterações estéticas que apesar de ser de difícil aceitação na juventude, são bem aceitas quando adulto.

É importante saber, porém, que apesar do impacto estético não ser tão significativo, alguns estudos mostram aumento significativo de desemprego, baixa autoestima, diminuição da taxa de casamentos, dentre outros, em pessoas com escoliose grave sem tratamento adequado para correção.

Os casos graves com indicação cirúrgica que não são tratados ou são negligenciados podem evoluir para deformidade estética grave, limitações funcionais de locomoção e para as atividades do dia a dia, dor nas costas crônica e principalmente limitação respiratória pela deformidade da caixa torácica que contém os pulmões. Curvas na coluna torácica que deformam muito a caixa torácica (curvas com mais de 90 graus) dobram a mortalidade nessas pessoas comparado com a população geral.

Por tudo isso, na suspeita de escoliose o correto a fazer é procurar um Ortopedista, de preferência um especialista em coluna.

A escoliose é uma doença de evolução lenta e silenciosa. Quando tratada no momento correto tem resultados muito bons.

Assista no vídeo a seguir a explicação de nosso especialista!

Inscreva-se em nosso canal. 

Postamos vídeos novos todas as quartas às 11h!

Fique conectado

Acesse nosso facebook.

Fale conosco por e-mail:

Receba as novidades do Dr. Ajuda direto no seu e-mail!



Copyright – All rights reserved – Estes vídeos não dispensam uma consulta médica.

Theme developed by TouchSize - Premium WordPress Themes and Websites