Artrose

A Artrose também é conhecida por Reumatismo ou ainda, como é chamada na medicina, por Osteoartrite.

Para entender melhor o que é essa doença, é importante saber como funciona uma articulação normal.

Na junção de dois ossos existe um tecido recobrindo suas extremidades, denominado cartilagem. Ela é ao mesmo tempo muito resistente e elástica para absorver os impactos sofridos pelo movimento da articulação.  Além disso,   sua superfície é extremamente lisa para deslizar com o mínimo atrito sobre a cartilagem adjacente. Para diminuir ainda mais o atrito existe um líquido lubrificante, chamado líquido sinovial. Ele também é responsável por trazer as substâncias que nutrem a cartilagem. Para proteger e reforçar a articulação, existem ainda ligamentos, uma cápsula e músculos responsáveis pelo seu movimento.

A  osteoartrite é o  resultado da destruição  lenta e  progressiva  dessa cartilagem articular. Ela vai ficando desgastada e mais fina e pode até desaparecer completamente com o tempo. Com isso, os ossos deixam de ter esse material que amortece os impactos e passa a crescer nos bordos da articulação. Com o tempo a articulação vai ficando inchada e dolorida e os ligamentos e os músculos ficam sobrecarregados e se enfraquecem.

Sintomas da Artrose

A depender da localização da artrose e da evolução do problema surgem os sintomas.

Existem vários sintomas pelos quais pode-se suspeitar da existência de osteoartrite. Dentre esses, oito deles merecem destaque:

  1. Dor nas articulações: A dor é um dos primeiros sintomas da artrose. A doença é mais frequente nos joelhos, quadris, coluna e mãos.
  2. Existência de algo que faça com que a dor melhore: De uma maneira geral, nos casos de artrose existe melhora importante da dor quando se fica em repouso.
  3. Percepção das articulações rangerem.
  4. Sensação de enrijecimento da articulação quando inicia um movimento: Isso é notado especialmente nos casos de artrose do joelho e quadril. O relato mais comum é a sensação de articulação enferrujada ou “faltando óleo”, principalmente quando a pessoa vai se levantar de uma cadeira ou iniciar algum movimento. Esse sintoma é comum na artrose de joelho.
  5. Dor na região da nádega, virilha ou região alta da coxa: Esse sintoma pode indicar uma artrose de quadril.
  6. Nas mãos pode ocorrer aumento das articulações dos dedos da mão, formando nódulos rígidos. É comum também as pessoas reclamarem que têm dificuldade de fechar ou de abrir e esticar completamente os dedos da mão.
  7. Além disso pode ocorrer inchaço nas articulações em pacientes com maior tempo de doença, deformidade e falta de força nas articulações. Muitas vezes elas também ficam tortas por causa desse processo.
  8. A coluna cervical lombar também pode ser acometida, provocando dor, rigidez, travamento, e a conhecida e temida dor no ciático.

Tudo isso não ocorre de repente. Essa é uma doença crônica e sua evolução ocorre gradativamente durante meses e mesmo anos.

Principais Causas da Artrose

Existem dois componentes principais para a causa da osteoartrite: a predisposição genética a essa doença e a sobrecarga da articulação quando ela é submetida a esforços, cargas ou posturas acima da sua capacidade ou resistência.

Sendo assim, uma pessoa deve se preocupar mais com esse problema se tiver os seguintes fatores de risco:

  • Realizar atividades que forçam em demasia a articulação, como por exemplo executar movimentos repetitivos ou com algum peso de modo habitual, isto é, muitas vezes e por muito tempo, diariamente. Mesmo as atividades simples, como a doméstica pode, em alguns casos, sobrecarregar uma articulação;
  • Obesidade ou sobrepeso;
  • Deformidade do joelho, isto é, quando ele é voltado para dentro ou para fora, conhecido como joelho varo ou-valgo;
  • Lesões de meniscos, ligamentos e músculos;
  • Má postura constante;
  • Sedentarismo: a falta de exercícios torna os músculos fracos e por consequência a articulação fica instável;
  • Desvios da coluna, como escoliose, hipercifose, hiperlordose;
  • Ter osteoartrite de mãos: quem tem artrose de mãos tem maior chance de ter artrose em outros locais;
  • Calçados inadequados como, por exemplo, salto alto e as rasteirinhas;
  • Antecedente familiar, isto é ter outras pessoas na família com o mesmo problema.

Uma vez tendo esses fatores de risco ou os sintomas mencionados é importante procurar um médico para uma avaliação.

Para definir o diagnóstico o médico leva em consideração todos os sintomas, o exame físico e Raio X. Com esses dados já é possível fazer o diagnóstico na grande maioria dos casos. Algumas vezes torna-se também necessária a complementação com a ressonância magnética ou tomografia computadorizada.

Uma vez feito o diagnóstico de artrose, existem diferentes abordagens de tratamento, que podem ser divididas em três grupos:

  1. Agir na causa do problema: O primeiro passo é identificar e corrigir todos os fatores que podem estar provocando ou agravando a doença. Se for obesidade a pessoa deve voltar a atenção para perda de peso, se for musculatura fraca deve fazer exercícios de fortalecimento muscular ou musculação, e assim por diante. Também é muito importante a chamada proteção articular, que vem a ser a identificação e correção de todos os fatores, posições, atividades que possa estar sobrecarregando a articulação. O paciente deve saber que essas medidas são mais importantes até que o uso de medicamentos, pois agem na origem do problema.
  2. Controle da dor: Para o controle da dor podem ser usados medicamentos anti-inflamatórios, analgésicos e relaxantes musculares, mas eles devem ser utilizados por curto período devido a seus efeitos colaterais, principalmente em pessoas mais idosas que são as mais acometidas de osteoartrite. Existem ainda medicações chamadas de anti-artrósicas, que podem ajudar em alguns casos. Também podem ser usados meios físicos como calor, bolsa de gelo, ultrassom, laser e acupuntura. Além desses tratamentos, existe a possibilidade de se realizar infiltrações, que são injeções feitas dentro da articulação que também podem diminuir a inflamação e a dor local.
  3. Cirurgias: elas são indicadas nos casos mais avançados e com pouca melhora com tratamento clínico ou conservador. A mais realizada é a artroplastia, isto é, a colocação de uma prótese que substitui a articulação.

Para todos os pacientes é recomendado a prática de exercícios físicos quando estes não geram dor e devidamente orientados e, é claro, palmilhas e outras órteses, bem como bengalas e outros dispositivos que podem auxiliar na caminhada e na reinserção social.

A osteoartrite é muito mais comum do que as pessoas imaginam. Para se ter uma ideia, estima-se que uma em cada dez pessoas acima de 60 anos tenha esse problema e, conforma a idade vai aumentando, esse número também cresce. A osteoartrite é responsável por mais de 25% das aposentadorias por invalidez no nosso país, e 7% das causas de afastamento do trabalho, segundo dados do INSS. A osteoartrite é mais comum nas mulheres. Como mencionado, essa doença pode ocorrer em qualquer idade, mas se considerarmos a idade e o sexo o grupo mais afetado são as mulheres após a menopausa.

Se uma pessoa tiver os sintomas mencionados ou fizer parte dos grupos de risco, ela deve procurar um médico. No caso pode ser um Ortopedista, um Reumatologista, um Geriatra ou mesmo um Clínico Geral.

Assista no vídeo a seguir a explicação de nosso especialista!

Inscreva-se em nosso canal. 

Postamos vídeos novos todas as quartas às 11h!

Fique conectado

Acesse nosso facebook.

Fale conosco por e-mail:

Receba as novidades do Dr. Ajuda direto no seu e-mail!



Copyright – All rights reserved – Estes vídeos não dispensam uma consulta médica.

Theme developed by TouchSize - Premium WordPress Themes and Websites